Após condenação, Hospital de Clínicas de Porto Alegre terá que fazer adequação no serviço de Fisioterapia

CLÍNICAS

Depois de diversas tentativas do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 5ª Região, solicitando a regularização dos serviços de Fisioterapia no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, que utilizava pessoas leigas no exercício de funções privativas dos fisioterapeutas no ambulatório de fisiatria do hospital, pelos chamados profissionais assistenciais, o Crefito5 encaminhou para o Ministério Público Federal (MPF) um ofício denunciando o exercício ilegal da profissão.

Desde então, o MPF iniciou investigações para averiguar o caso e concluiu que “as atividades atinentes ao cargo de Auxiliar de Serviços Terapêuticos confundem-se, de fato, com aquelas legalmente atribuídas ao Fisioterapeuta”. O Caso foi julgado e obteve como sentença a condenação do Hospital, solicitando adequação imediata dos serviços.

O Ministério Público Federal encaminhou para avaliação do Crefito5 as alterações propostas pelo Hospital a serem realizadas no serviço de Fisioterapia, com o objetivo de não permitir que os chamados “assistentes de fisiatria” façam atendimentos que devem ser realizados por profissionais fisioterapeutas.

O Conselho, por sua vez, respondeu ao Ministério Público Federal com algumas observações sobre os cuidados necessários ao uso e aplicação do ultrassom, considerando o evidente risco representado pelo manuseio deste aparelho por parte de profissionais não capacitados.

Segundo o presidente do Crefito5 – Gestão Aproximar, Fernando Prati, o Conselho continuará atento no que diz respeito à assistência de fisioterapia e terapia ocupacional buscando sempre garantir a melhor qualidade nesses serviços para a população.