Crefito5 defende a desinstitucionalização do IPF

38746_640_480__rerwhgrew

O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 5ª Região, através da sua representante na Comissão de Saúde Mental do Conselho Estadual de Saúde, Vera Leonardi, manifesta-se a favor da desinstitucionalização do Instituto Psiquiátrico Forense Dr. Maurício Cardoso.

A desinstitucionalização busca a reabilitação psicossocial, para a construção de autonomia e para o resgate de laços afetivos e sociais. Esse movimento é necessário para a Reforma Psiquiátrica, é a chance de reparar o dano causado pelos anos de institucionalização, exclusão e violação de direitos. Somente com a desinstitucionalização os usuários de serviços de saúde mental, antes confinados aos manicômios, podem acessar novas formas de atenção e cuidado.

No entanto, esse processo está ocorrendo muito lentamente. Atualmente, a equipe responsável pela desinstitucionalização é composta por duas psicólogas e duas assistentes sociais. Vera Leonardi, representante do Crefito5, lembra que antes, a equipe era maior e contava, inclusive, com uma terapeuta ocupacional. Para Glaydicianne, coordenadora adjunta da desinstitucionalização do IPF, a presença do terapeuta ocupacional é de extrema importância para auxiliar na inclusão social dos usuários.