Crefito5 promove Acolhimento aos Novos Profissionais e cria Comissão do Jovem Fisioterapeuta e Terapeuta Ocupacional

IMG_2934 -redimensionada

O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 5ª Região promoveu nesse sábado, 23 de maio, o evento “Acolhimento aos Novos Profissionais”, no Hotel Coral Tower, em Porto Alegre.

Os profissionais recém-formados e alguns estudantes tiveram a oportunidade de acompanhar, durante todo o dia, informações sobre o Conselho, um momento de desenvolvimento da carreira, tirar dúvidas sobre procedimentos, aspectos jurídicos da profissão, documentação, entre outros e ainda, ouvir as experiências, angústias e casos de sucesso de profissionais que já atuam na área.

No início da manhã, a palestra “Seja dono da sua carreira”, ministrada pela coach generativo Ângela Medeiros, trouxe aos jovens profissionais a percepção de aprendizados como as pequenas decisões que precisam tomar todos os dias, a responsabilidade que cada uma delas traz consigo e a possibilidade de autoconhecimento. Ângela apresentou ainda algumas ferramentas para lidar com essas situações e enfatizou que é preciso fazer para si mesmo a pergunta “O que eu quero?” para traçar os objetivos de vida profissional e pessoal.

Durante a palestra “Conduta ética e suas implicações”, os profissionais receberam do procurador jurídico do Crefito5, Leomar Lavratti, informações sobre o código de ética profissional, a regulamentação da fisioterapia e da terapia ocupacional, a natureza jurídica do Conselho, bem como suas atribuições e responsabilidades. Lavratti falou ainda, sobre o comportamento do profissional perante o Conselho, o processo de fiscalização e as possíveis penas disciplinares a que estão sujeitos aqueles que não seguirem o código de ética profissional. Depois disso, os participantes tiveram a oportunidade de conhecer de perto as instalações do Conselho.

À tarde foi a vez de esclarecer dúvidas práticas sobre os processos de registro, abertura de empresas e consultórios, diferenças entre associação, sindicato e conselho, atualização de cadastro, o que é e o que não é permitido na publicidade, processo de fiscalização, entre outras dúvidas. Para tirar todas as dúvidas dos fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, participaram dessa mesa redonda o presidente do Crefito5, Fernando Prati, os procuradores jurídicos, Leomar Lavratti e Augusto Luvison,  auxiliar administrativo da secretaria geral, Diohrge Sousa, e a coordenadora fiscal, Silvana Halmenschlager.

No momento “Minha história na profissão”, foram convidados três profissionais que já atuam na área para dar seus depoimentos e compartilhar suas angústias, medos e experiências. O fisioterapeuta Tarciso Silva dos Santos, formado há um ano, compartilhou que, desde o início gostava da área esportiva e que hoje, sente-se realizado trabalhando no Grêmio Náutico União. “Tive algumas dificuldades por ser muito jovem, mas aprendi a lidar com isso”.

A terapeuta ocupacional Ana Carla Mazzutti Adorian, falou em seu depoimento do orgulho que sente pela profissão que escolheu e disse que as principais dificuldades são o desconhecimento e a desvalorização da terapia ocupacional. “Fico muito chateada quando chego em algum lugar, me apresento como terapeuta ocupacional para outros profissionais da área da saúde e me perguntam que profissão é essa, o que eu faço”, afirmou.

Já a fisioterapeuta Alessandra Lima, sócia da Clínica Reequilíbrio e vencedora do Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas do RS em 2014 participou do momento com um depoimento sobre sua experiência como empreendedora. Alessandra contou aos participantes sua trajetória, desde o início, quando conseguiram autorização para atender pacientes internados no hospital Mãe de Deus e a luta diária para buscar reconhecimento e respeito dos outros profissionais. “No início, tivemos que mostrar aos médico o que era a fisioterapia, o que fazia o fisioterapeuta, qual era o nosso trabalho. Aos poucos conseguimos conquistar o nosso espaço dentro da equipe”, afirmou. Alessandra ressaltou ainda a importância da representatividade em diversas áreas e da união dos profissionais. “Precisamos entender que juntos somos mais fortes e conseguiremos conquistar ainda mais espaço”, finalizou.