Filme retrata atuação da psiquiatra Nise da Silveira na década de 40 no Rio de Janeiro

306580.jpg-c_300_300_x-f_jpg-q_x-xxyxx

A Dra. Nise da Silveira, precursora da prática da Terapia Ocupacional no Brasil, desenvolveu um importante trabalho com base na teoria junguiana, que contribuiu no entendimento e tratamento para com os indivíduos com sofrimento psiquíco. Ao utilizar atividades expressivas, fez compreender que a principal função das atividades na terapêutica ocupacional seria criar oportunidades para que as imagens do inconsciente e seus concomitantes motores encontrassem formas de expressão tanto das experiências internas quanto externas.

No Brasil, as primeiras escolas de formação profissional de Terapia Ocupacional surgiram no final da década de 50, através do Instituto de Reabilitação da Faculdade de Medicina da USP (SP) e na Associação Brasileira Beneficiente de Reabilitação (RJ), sob a influência das escolas formadoras dos Estados Unidos  e Canadá.

Com os novos rumos da psiquiatria moderna, inclusive o uso da denominação saúde mental, houve também a construção de uma postura ética na visão e tratamento relacionado aos indivíduos acometidos por transtornos mentais. O sujeito não mais deve ser visto como portador de uma doença que precisa ser controlado e preso, mas como pessoa que, devido as suas diferenças, necessita de locais e profissionais que o ajudem a exercer sua cidadania, qualidade de vida,  enfim, realizar suas trocas sociais e afetivas.

Dessa forma, o terapeuta ocupacional por ter como ferramenta principal de trabalho a atividade, que por sua vez reflete o cotidiano do sujeito, facilita a promoção de um protagonismo social do seu cliente, resgatando a autonomia e atividades sociais importantes para sua cidadania.

Com o avançar da prática clínica e dos embasamentos teórico-científicos a prática da Terapia Ocupacional no Brasil, se constituiu como profissão de nível superior na área da saúde e teve sua regulamentação profissional estabelecida pelo Decreto Lei 938/69. A partir de então, vem avançando e atualmente tem atuação em vários âmbitos: saúde, assistência social, educação, justiça e cultura.

Para a Organização Mundial de Saúde, “Terapia Ocupacional é a ciência que estuda a atividade humana e a utiliza como recurso terapêutico para prevenir e tratar dificuldades físicas e/ou psicossociais que interfiram no desenvolvimento e na independência do cliente em relação às atividades de vida diária, trabalho e lazer. É a arte e a ciência de orientar a participação do indivíduo em atividades selecionadas para restaurar, fortalecer e desenvolver a capacidade, facilitar a aprendizagem daquelas habilidades e funções essenciais para a adaptação e produtividade, diminuir ou corrigir patologias e promover e manter a saúde”.

FONTES:

BENETTON, Maria José. Livro: Trilhas Associativas ampliando recursos na prática da Terapia Ocupacional.  São Paulo: Diagrama&Texto / CETO, 1999

MEDEIROS, Maria Heloísa da Rocha. Livro: Terapia Ocupacional: um enfoque epistemiológico e social. São Carlos: EdUFSCAR, 2003

FRANCISCO, Berenice Rosa.  Livro: Terapia Ocupacional. Campinas, SP: Papirus, 2001

cirandas.net/redesolmg/definicao-de-terapia-ocupacional

21 de dez de 2011 - Definição de Terapia Ocupaciona pela OMSTerapia Ocupacional é a ciência que estuda a atividade humana e a utiliza como recurso … EM 17/05/2016 às 00:08h

Texto:

Lenise Hetzel                                                                      Mônica Thomé

Terapeuta Ocupacional                                           Terapeuta Ocupacional

CREFITO5-1960/TO                                                        CREFITO5.303/TO