Mensagem do Presidente – Fevereiro 2015

Fernando Prati

UMA QUESTÃO DE ATITUDE

A importância de um posicionamento caracteriza o tipo de compromisso que o profissional tem com a profissão e com a categoria como um todo.

A facilidade proporcionada pelos meios de comunicação aumentou o conhecimento sobre o descontentamento das pessoas com relação aos serviços e ao consumo de produtos os quais cotidianamente encontramos as reclamações nas redes sociais.

Aos poucos vamos nos interessando e buscando propostas, soluções para tais problemas levantados, desde o reclamante até de quem, de direito, precisa dar satisfações.

Mesmo definido por Lei, o papel de qualquer Conselho de Classe é o de fiscalizar o ato de seus profissionais, na intenção de assegurar a melhor qualidade assistencial. Mas o que é a melhor qualidade assistencial aos usuários, por exemplo, dos serviços dos fisioterapeutas e dos terapeutas ocupacionais?

Temos claro que há um conjunto de fatores que ao serem atendidos respondem à pergunta.

1-    Competência técnica. Imprescindível em cada profissional de qualquer área para que a resposta às intervenções venha a trazer resultados positivos, consideração, respeito e reconhecimento pelo usuário;

2-    Investimento. Qualquer profissional responsável sabe que o investimento pessoal e a qualificação são, antes de tudo, um compromisso ético responsável. Os códigos de ética profissional apontam para este quesito como fundamental, onde o profissional deve oferecer sempre o melhor e o mais atual para seu cliente. E em se tratando ainda sobre investimento, a tecnologia atualizada é fundamental e deve fazer parte deste investimento;

3-    Espaço. Não se pode admitir mais nos dias de hoje, espaços inadequados para a assistência fisioterapêutica e/ou terapêutica ocupacional. Já faz parte de um passado distante as chamadas “clinicas de fisioterapia e/ou de terapia ocupacional” que se instalavam aos fundos de uma casa ou mesmo se misturavam em uma dependência da residência do então “profissional”;

4-    Conhecimento da profissão. O profissional deve conhecer sua profissão. Este conhecimento avança além das questões técnicas, passando pela legislação, pelas atribuições elencadas nas normativas, na legislação da profissão, nos seus direitos e obrigações;

5-     Participação. O enfrentamento do poder repressivo leva às formas de organização e a uma estruturação maior dos reprimidos. Quando não se pode reunir forças suficientes para este enfrentamento ele se dá através de outros métodos que buscam afetar as bases deste poder na tentativa de enfraquecê-lo. É o caso, por exemplo, das ações em grupo ou dos movimentos associativos. A participação na vida das instituições é fundamental para a sobrevivência das mesmas. As instituições bem representadas, aquelas que contam com a participação efetiva de cada profissional, atuando em conjunto com seus dirigentes, colaborando e cobrando ações que venham a promover o crescimento e autonomia maiores, se sustentam pela participação, pelo diálogo contínuo entre seus associados, pela contribuição pessoal em favor do coletivo e pelo bem comum. Não existe entidade representativa sem representados. Quanto maior o número de profissionais participantes, maior a força da instituição , maior a sua participação política nas várias esferas sociais resultando assim nos ganhos pretendidos;

6-    Identidade. A identidade é a diferenciação entre duas pessoas, entre duas instituições, entre duas profissões. A pessoa pode mudar o corte de cabelo, pode emagrecer ou engordar. A instituição pode mudar de endereço, mas a sua marca, aquilo que a identifica não muda. A fisioterapia e a terapia ocupacional têm identidade própria definida pelos conceitos institucionais, os quais estão registrados nos documentos que norteiam ambas profissões. Não é aceitável (e o código de ética prevê) outras nomenclaturas de indicação profissional a não ser fisioterapeuta e/ou terapeuta ocupacional.

7-    Marketing. O resultado de nosso trabalho está também vinculado na forma que oferecemos os serviços a nossos usuários. Concorrência não se vence pelos valores monetários, mas pelos resultados buscados pelas pessoas quando procuram nossos serviços e a forma como os oferecemos e nos apresentamos.

Atitude é uma questão de valores. Quando mais sólida, mais presente e mais definida, maior é o reconhecimento e o resultado é consequência desta atitude.

As instituições representativas dos fisioterapeutas e dos terapeutas ocupacionais estão presentes atuando nas suas esferas na expectativa da efetiva participação dos seus pares, o que é uma questão de atitude.

Fernando Prati
Presidente