NOTA TÉCNICA 03 – SOBRE O RETORNO DAS ATIVIDADES

NOTA TÉCNICA 03 – SOBRE O RETORNO DAS ATIVIDADES
31/03/2020

FISIOTERAPEUTAS E TERAPEUTAS OCUPACIONAIS

Em 31/03/2020

Considerando o estado de calamidade em saúde pública vigente no país, com a transmissão comunitária estabelecida do novo Coronavírus e o avanço do número de casos positivos no estado e no país, este conselho, em 21/03, RECOMENDOU a suspensão dos atendimentos, sempre que possível, tendo em vista o cenário e indicação do Governo do Estado, alertando ainda quanto ao cuidado de não abandonar-se o paciente sem a devida orientação técnica.

Contudo, conforme previsões, a pandemia poderá se estender por meses, ou seja, será um período longo no qual a situação de suspensão total da assistência fisioterapêutica e terapêutica ocupacional poderá agravar a condição dos pacientes/clientes/usuários. 

É reconhecido cientificamente que muitos pacientes/clientes/usuários possuem condições complexas as quais a suspensão total da assistência fisioterapêutica e terapêutica ocupacional poderá resultar na piora clínico-funcional e de saúde mental, complicações diversas e até mesmo hospitalizações, podendo assim implicar em uma maior sobrecarga da rede hospitalar.

O profissional tem condições e autonomia para avaliar quanto o não atendimento pode influenciar na saúde do paciente/cliente/usuário. Sabendo do risco de contaminação através de pessoas assintomáticas, o fisioterapeuta e o terapeuta ocupacional devem ser responsáveis, fazendo uso adequado de Equipamentos de Proteção Individual para proteção própria e especialmente de seus pacientes/clientes/usuários. 

Considerado isso, as decisões quanto a suspensão, continuidade ou retomada do atendimento fisioterapêutico e terapêutico ocupacional devem ser cuidadosamente avaliadas caso a caso, junto à família e à equipe multiprofissional, ponderando riscos e benefícios nesse contexto ímpar. 

Se entender por manter suspensos os atendimentos, e para não deixar os pacientes desassistidos ou seus familiares sem orientação, poderá utilizar-se de outras alternativas como Teleconsultas, Teleconsultoria e Telemonitoramento, autorizadas pelo COFFITO diante da pandemia. A cobrança pelo serviço deve acertado diretamente com o cliente/paciente. Importante realçar que, com fulcro na ética profissional, devemos amparar nossos pacientes/clientes/usuários com a devida orientação e acompanhamento.

Nesse momento, a saúde de todos depende do esforço coletivo. 

Juntos somos mais fortes e na Sinergia de nossas ações venceremos esse momento em que a sociedade precisa de nós!