Setembro Amarelo: uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio

cvv

Atualmente, em um contexto geral de adoecimento da humanidade, vemos notoriamente o crescimento de uma população em sofrimento por depressão entre outras doenças do psiquê, muitas vezes silenciosas, que levam a um profundo sofrimento e podem desencadear uma ideia ou sentimento suicida.

O mês de setembro é dedicado a uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, com o objetivo direto de alertar a população a respeito desta realidade no Brasil e no mundo e suas formas de prevenção. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o 8º país com o maior índice de suicídio.

O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 5a Região – Crefito5, através de sua Comissão de Especialistas orienta que devemos ficar atentos quando algum familiar, amigo ou conhecido refere frases como:

“Eu não aguento mais”, “eu poderia estar morto”, “eu não posso fazer nada” ou “eu não sei fazer nada” ou ” eu não sirvo para nada”, ” eu sou um perdedor e um peso para os outros”, ” os outros vão ser mais felizes sem mim”.

Estas são manifestações que podem caracterizar quadro de doenças que levam à desesperança, desamparo e desespero. Casos como estes merecem atenção, pois podem levar as pessoas a tomarem atitudes mais drásticas caso não tenham o devido amparo profissional.

Ao se deparar com qualquer uma destas manifestações acolha a pessoa e procure encaminhá-la a um profissional habilitado pois ela precisa muito de sua ajuda.

A Comissão de Especialistas salienta ainda que o usuário, familiares ou responsáveis , exijam seus direitos numa atenção eficiente e com atendimento  dos profissionais com conhecimento e experiência.

O terapeuta ocupacional é um profissional da saúde que pode ajudar muito na atenção a estas pessoas. Juntamente com demais membros de uma equipe de saúde pode contribuir no controle e/ou reversão do quadro.

Mesmo que nem todas as unidades públicas de saúde não tenham uma equipe completa para acolhimento é importante que as pessoas usuárias do Sistema Único de Saúde exijam além de outros profissionais um terapeuta ocupacional.